24 fevereiro 2012

Maravilhas da Natureza - mas não tão naturais


É oficial. Na Embaixada do Brasil em Buenos Aires, no dia 22, Bernard Weber, da Fundação Novas 7 Maravilhas, confirmou oficialmente que as Cataratas do Iguaçu / Iguazú são finalmente uma das Sete Maravilhas Naturais do Mundo. Parabéns a todos pela honraria. Mas aproveito para divulgar uma realidade: apesar da beleza imponente, as Cataratas do Iguaçu estão em risco como qualquer outro local natural do mundo.
As Cataratas do Iguaçu não são mais tão naturais como parecem. Tudo no rio Iguaçu é controlado pela mão do homem. Na Região Metropolitana de Curitiba toda a água captada a partir do sopé da Serra do Mar em direção à Curitiba é canalizada e dirigida às represas que vão ajudar a abastecer a nossa bela e complexa capital. O controle é da Sanepar. Acompanhei alguns trechos desses, por exemplo, do pé da serra onde está o primeiro viaduto da linha férrea no sentido Curitiba-Paranaguá, na localidade de Roça Nova (Piraquara). Acompanhei o rio do Rato, vendo-o entrar no Iraizinho, daí no Iraí e por fim na represa do Iraí. Em Porto Amazonas, o rio Iguaçu tem uma vazão média de 60 metros cúbicos. Se você lembrar que as Cataratas tem uma vazão de 1.500 metros cúbicos por segundo, você verá que a RMC briga por pouca água. Daí vem o trecho das hidrelétricas onde o controle é da Copel, da Eletrosul e em breve pela Neoenergia. Sem querer entrar no âmago do assunto, basta dizer que, lá embaixo, nas Cataratas, a variação da vazão controlada pelo homem é brutal. Todos os dias, a água sobe e desce fazendo um percurso que a Natureza levaria meses. As Cataratas, originalmente, estariam cheias na estação das chuvas. Estariam secas na estação de estiagem. Hoje não. As Cataratas enchem na seca e secam na cheia tudo por conta do controle antropogênico ou seja do homem. Os peixes pagam o pato. Os peixes que vem à água razoavelmente profunda e se põe a dormir no oco de uma pedra, pode ficar sem água num piscar de olho. A água seca e isso deve afetar também a todo o ecossistema. Um exercício interessante é acompanhar o monitoramento da vazão do rio Iguaçu no site da COPEL. Escolha um dia. Todos são iguais. Nas fotos acima, você verá, se clicar nelas fotos, o monitoramento hidrológico do rio Iguaçu de dois dias. São dois dias bons há dias em que as diferenças são maiores.

Na primeira, à 1h da manhã do dia 2 de fevereiro de 2012, a vazão no Salto Cataratas era de 1.500metros cúbicos por segundo. Às 10h39 a vazão era de 1.330 e às 19h a vazão foi de 1.760 metros cúbicos por segundo. No dia 24/02 à 1h da manhã a vazão foi de 1.390. Às 7h foi de 1.180 e às 14h chegou a 1. 640 metros cúbicos por segundo. Estas foram, repito, variações pequenas. Tenho visto variações maiores segundo as quais as Cataratas passam de níveis abaixo da média de 1,5 mil m³/segundo para números muito acima da média daqueles que podem ser chamados por nós reporteres de "espetáculo da natureza" quando na realidade é excesso d'água liberado pelas nossas hidrelétricas especialmente Salto Segredo e Caxias.

P.S.: esta pstagem com links está neste blog meu sobre o Rio Iguaçu

23 fevereiro 2012

Nasce Monopólio de Ecoturismo em Parques Nacionais do Brasil

Monopólio? de Ecoturismo? Pode? Eu deveria estar muito orgulhoso. A empresa paranaense que administra a área de visitação do Parque Nacional do Iguaçu, desde 1999, não para de vencer concessões. Depois de Foz do Iguaçu onde a empresa venceu a licitação que lançou o "modelo" para o Brasil, a Cataratas S.A. já levou o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha e esta semana foi vencedora em consórcio da licitação do complexo da Tijuca. Não estranharia que na lista dos próximos parques a entrarem para o monopólio sejam o PN Marinho de Abrolhos (BA), PN da Restinga de Jurubatiba (RJ), PN do Caparaó (ES), PN da Serra dos Órgãos (RJ), PN de Ubajara (CE), Sete PN Cidades (PI), PN Itatiaia (RJ) e o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (MT) onde já existe um movimento. As duas imagens no texto mostram trechos do edital de licitação que, de antemão, me faz crer que a empresa levará todos os parques. Trata-se da exigência da empresa concorrente provar que tem experiência comprovada de administração de parques nacionais, cobrança de ingresso e transporte. O problema ao meu ver é que esta concentração não é muito sadia - estamos exportando problemas da experiência viciada de Foz do Iguaçu contra a qual protesto há tanto tempo. E tudo isso levando o nome de ecoturismo. Enquanto isso em Foz do Iguaçu já começam a surgir vozes que perguntam quanto a cidade realmente leva desse turismo? Clique na imagem para conhecer o trecho do edital mencionado acima.

07 fevereiro 2012

Foz vai ganhar 107 abrigos de ônibus em corredores turísticos

A verba para a instalação de 107 novos abrigos em pontos de ônibus nos corredores turísticos de Foz do Iguaçu já está garantida. Ela pode ser conferida aqui no Portal da Transparência. O Governo Federal por meio do Ministério do Turismo e Caixa Econômica Federal vai investir R$ 780 mil no projeto que terá uma contrapartida de R$ 67.827 da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu. Segundo o Portal, além da instalação de abrigos de ônibus nas vias que formam o corredor turístico do município, a verba cobrirá também a colocação de placas de orientação turística no Terminal de Transporte Urbano (TTU) que também será restaurado pelo Consórcio Sorriso como compromisso apos ter sido autorizado o aumento da passagem urbana.

Segundo a diretora de desenvolvimento do Turismo da Secretaria de Turismo de Foz do Iguaçu, Rosa Maria Corbari Maccali, os novos abrigos serão colocados nos principais corredores turísticos de Foz do Iguaçu. “Dizemos principais no sentido de serem aqueles por onde os turistas efetivamente passam quando se dirigem aos atrativos da cidade”, explicou a professora. O motivo da explicação é que segundo a Lei 2262 de novembro de 1999 que instituiu corredores turísticos, Foz do Iguaçu tem 17 corredores turísticos.


Porém o projeto de novos abrigos de ônibus aprovado pelo Governo Federal, não beneficiará a Rodovia das Cataratas ou seja a BR-469 mas sim a Avenida das Cataratas, que vai do trevo do Mboici até o Trevo da Argentina (Foto). O trecho entre o trevo de acesso à Argentina e a entrada do Parque Nacional do Iguaçu vai ficar fora da lista de corredores por ser uma área federal. O croqui oficial dos abrigos não foi divulgado ainda. O projeto original dos novos abrigos foi realizado pela equipe de engenharia do Foztrans a cargo da engenheira Priscila Mantovani. Segundo a engenheira, o plano pode sofrer mudanças por isso não foi divulgado ainda para evitar especulações. Parece que o plano será mostrado primeiro a lideranças diversas de Foz em reunião do COMTUR, em breve. Contudo já se sabe que os abrigos terão painéis com mapas do sistema de transporte coletivo.



Padrão – O projeto de restauração da BR-469 (Rodovia das Cataratas) que inclui melhora no asfalto, no acesso ao Aeroporto, construção de recuos para os ônibus financiado pelo Ministério dos Transportes trouxe atrelado um outro projeto de abrigos de ônibus que não combinam com o projeto do Ministério do Turismo em parceria com a Caixa Econômica Federal. Os abrigos que fazem parte da revitalização da BR-469, são considerados acanhados e até cafona pelos usuários locais. Segundo a professora Rosa Maria, existe preocupação quanto à padronização dos abrigos e outras estruturas segundo o conceito de corredor de turístico. “Existe intenção de tratativa com o DNIT quanto à reforma da BR-469 para que encontremos um denominador comum e que possamos manter nesse corredor a mesma qualidade dos outros corredores da cidade”, disse a diretora de desenvolvimento do turismo do município (Foto 2 - projeto municipal anterior de ponto de ônibus e ciclovia com mapa indicatico de regiões turísticas da cidade. Esse projeto foi abandonado?).





































06 fevereiro 2012

Fernando Noronha Mais Caro / Aumento em Parques Nacionais

A partir do dia 2 de abril os turistas que visitarem o Arquipélago de Fernando de Noronha terão que pagar uma taxa extra de Preservação Ambiental, além da diária que já cobrada pela permanência na ilha. A nova cobrança foi batizada de Taxa de acesso ao Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, e tem o valor de R$ 65 para visitantes brasileiros, e de R$ 130 para estrangeiros. Com o pagamento, o turista tem direito de ficar até dez dias na ilha. Quem passar desse período, terá que efetuar um novo pagamento.
A cobrança, regulamentada através da Portaria nº 135, de 30 de dezembro de 2010, faz parte da transferência da administração das atividades de atendimento aos turistas do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) para a concessionária Cataratas do Iguaçu S.A., pelos próximos 15 anos.

A empresa paranaense, responsável desde 1999 pela gestão da visitação ao Parque Nacional do Iguaçu, venceu licitação em 2010 para desenvolver o mesmo trabalho em Fernando de Noronha. Como parte do contrato de concessão, firmado no fim de 2011, a empresa deverá investir nos próximos três anos R$ 8 milhões em obras de infraestrutura e ações para melhorar o acesso e as informações para os turistas.

A administração do Parque Nacional Marinho continuará com o ICMBio, que receberá 14,7% da taxa cobrada dos turistas. A EcoNoronha poderá também comercializar produtos relativos à ilha. A empresa deve contratar 50 pessoas para trabalhar como atendentes, monitores de trilhas e vendedores.

Fonte Uol

05 fevereiro 2012

Circuitos Turísticos do Mercosul - Parte I

Já que o Mercosul inaugurou o seu Parlamento (funciona na Secretaria Administrativa do Mercosul – SAM em Montevidéu, Uruguai) e já que o Mercosul, como “instituição”, começa a funcionar, é hora do Notas do Turismo lembrar que chegou a hora de fazer decolar os chamados “Circuitos Internacionais” na área do turismo. Alguns desses circuitos já têm nome. É o caso do (1) Mundo Gaúcho, do (2) Mundo Jesutítico ou Circuito Internacional das Missões Jesuíticas e do (3) Pólo Internacional Turístico do Iguaçu. Está na hora de fazer tudo isso sair do papel. Por quê?

Porque a demora da implementação desses “Circuitos” está ajudando a manter milhares de pessoas, regiões inteiras na pobreza. Sem que esses circuitos do Mercosul existam segundo as regras do Mercosul, se perpetua o reino da demagogia, da politicagem, do abuso. Onde? Como?

Vejamos primeiramente o Circuito Internacional das Missões Jesuíticas. Este circuito é trinacional: Argentina, Brasil e Paraguai. Na Argentina fica na província de Misiones – que, como o nome sugere, deve ter Missões. E tem. Confira aqui e agora quais são. Acompanhando a barranca do Rio Paraná temos o que restou das antigas Missões de: Corpus, San Ignacio Miní, Loreto, Santa Ana e Candelária. Atravessando a Província de Oeste para o Leste, ou seja do Rio Paraná para o Rio Uruguai, temos San José, Apostoles, Concepción, Mártires, San Javier e Santa Maria la Mayor. Ao longo do rio Uruguai estão: San Carlos, Santo Tomé, La Cruz e Yapeyú.

No Brasil, que dizer no Rio Grande do Sul, temos as ruínas físicas de São Nicolau, São Borja, Santo Ângelo, São João, São José, São Luis e São Lourenço. Na lista argentino-brasileira, ou gaúcho-misionera há ruínas e ruínas. Quer dizer impactantantes como San Ignacio e São Miguel e pequenas lembranças de que um dia houve Igrejas ou aglomerado habitacional jesuíta e algumas onde não sequer a lembrança de que um dia houve uma missão jesuítica ali.

No Paraguai, perto de Encarnación e do rio Paraná temos Jesús, Trinidad, Itapúa, San Cosme, Santiago, Santa Rosa, San Ignacio Guazú e Santa Maria de la Fé. Uma coisa importante, muito importante é que as principais ruínas deste conjunto trinacional foram inscritas como Patrimônio Cultural Mundial segundo a Lista do Patrimônio Cultural e Natural da Unesco. E a lista é parte ou resultado da Convenção para a Proteção do Patrimônio Cultural e Natural assinada por mais de 120 países.

O que é realmente importante aqui é que as ruínas jesuíticas propriedades das pátrias argentino-brasileiro-paraguaia foram registradas como uma única propriedade. Um GOL e um milagre. Isso porque, só para dar um exemplo, as Cataratas do Iguaçu, um bem argentino-brasileiro, têm dois registros. Um argentino de 1986 e um brasileiro de 1988. O Brasil, na época, disse que não havia no marco jurídico nacional, nada que possibilitasse uma “possessão” internacional, compartilhada ou duplamente comandada na área de parques nacionais.

A partir da próxima postagem discutiremos a “demagogia nossa de cada dia” que tudo atrapalha.

01 fevereiro 2012

Identidade visual da empresa Tres fronteras, resgata a Cruz de Lorena

Estou tentando trazer a vida o blog Notas do Turismo, por isso, de uma tacada, uma série de postagens. Gostei da nova identidade visual dos ônibus da empresa Tres Fronteras de Puerto Iguazú, Argentina que é parte do rodísio binacional (brasil-Argentina) que faz a linha Puerto Iguazu - Foz do Iguaçu. Veja o detalhe do "T" de Tres Fronteras. É a Cruz de Lorena, símbolo das Missões Jesuitas - é símbolo das missões que você verá em São Miguel das Missões (RS), San Ignacio Mini, Guazú e outras missões na Argentina e Paraguai. Gosto de ver a identidade das "missões" chegando por essas latitudes. Se eu fosse autoridade ou tivesse dinheiro sobrando eu mandaria eregir duas cruzes dessas. Uma em Guaíra, na entrada do Paraná para quem vem do Mato Grosso do Sul. Outra em Foz do Iguaçu, ainda não sei em que lugar. Seria um monumento para lembrar que entre Guaíra e Foz do Iguaçu eram os limites, pelo menos nas marges do rio Paraná, da Província Real del Guairá e que a capital dela, a Ciudad Real del Guairá existiu em local que hoje pode pertencer a Terra Roxa, cidade que foi desmembrada de Guaíra assim como Guaíra foi desmembrada de Foz.

Pesquisa quer saber como o morador de Foz vê o turista

Pela primeira vez na história de Foz do Iguaçu, os órgãos oficiais do turismo tanto públicos comno privados lançam uma pesquisa para saber o que a população pensa, sente, acredita, acha, opina do turismo. Como o morador de Foz do Iguaçu percebe o turista e o turismo. Na foto da Gazeta do Iguaçu, clicada por Kiko Sierich, Fernanda Fedrigo, do Instituto Polo Iguassu se dirige aos pesquisadores durante o treinamento oferecido a eles no sede do Senac Cataratas em Foz uuns dias antes da largada da pesquisa que vai até o dia 5 de fevereiro. A foto pequena foi tirada no interior de um ônibus de linha comum que serve a comunidade local. O destaque é para a filinha de turistas europeus perdidos no ônibus da empresa Rafagnin Transportes que faz a linha Sohab-Vila C ou algo bem parecido. Turistas e comunidade usam pacificamente os mesmos equipamwentos embora o povo local, mais afluente, não saiba disso. Por isso, parabéns pela pesquisa.

Evento top de linha de Astronomia em Foz

O Rafain Palace Hotel & Convention Center sediará o Workshop do ESO European Southern Observatory (Observatório Europeu do Sul. O evento acontecerá entre os dias 27 de fevereiro a 02 de março e está sendo promovido em parceria com a Universidade de São Paulo (USP). O astronauta brasileiro Marcos Pontes tem presença confirmada É Foz do Iguaçu servindo como capital da astronomia mais uma vez A foto, olhe bem para ela, pode dar uma ideia do que é um observatório muito grande (VLO) para lançar uma olhada penetrante no universo.

Hora Mundial