24 março 2009

Dragoman - Interpretação é o que o turismo precisa


Ilustração na wikipedia: "Senhora e dragoman em acampamento no Baalbec", em domínio público


Na última postagem que fiz sobre um bairro em Foz do Iguaçu chamado Remanso Grande, onde há uma tendência de transformar-se em um bairro com muitos albergues, fotografei um caminhão com carroceria adaptada ao estilo ônibus que pertence a uma companhia cgamada DRAGOMAN. Depois de ter colocado a foto me veio a idéia de escrever esse texto e também de explicar porque eu acho que o pessoal que criou esta empresa é muito atenado. Dragoman é uma palavra que vem do árabe ترجمان (tarjumān), no latim é "dragomanus" e no espanhol ficou "trujamán" que significa intérprete. Historicamente, dragoman era uma pessoa que servia de interprete entre árabes, turcos e persas na época das grandes viagens. Confesso aqui minha ignorância da palavra em português. Como se diz "dragoman" em português?

Admiro a empresa "Dragoman" por ter se chamado assim e se ver assim: como interprete e não só como transportadora, vendedora de aventuras ou de passeios. É bonito que a empresa apresente-se como interprete de culturas. Os ingleses, europeus em geral, abordo, devem receber, se a empresa honrar o nome, informações que vão além do abarrotamento da cabeça com informações. Se a empresa viver o nome que carrega, significa que ela interpreta o que se vê, os encontros, as paisagens, as culturas que estão no caminho do caminhão.

Gostaria de convidar a todos os destinos turísticos do Brasil, bem como Foz do Iguaçu e as Três Fronteiras, que descubram o conceito de interpretação, que criem "dragomans", pessoas que além de acompanhantes, guias, monitores sejam também intérpretes do que o turista vê quer seja natural o que ele vê, cultural, folclórico, espiritual ou no nível de relacionamentos e encontros de pessoas de culturas diferentes. Poderíamos ter um turismo que além de deixar dinheiro nos bolsos de representantes da população local, enriqueceria a vida de todos os envolvidos.

Nota: Saiba mais sobre interpretação ambiental no turismo.

Nenhum comentário:

Hora Mundial