23 novembro 2006

TRAF Cascavel - última postagem

Pronto. O 1º Encontro Estadual de Turismo Rural na Agricultura Familiar (TRAF) realizado em Cascavel (Pr) nos dias 21 e 22 terminou. O convênio assinado em 2005 entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e a Ecoparaná / Secretaria do Turismo (SETU), pelo lado do turismo, e Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento via Emater, pelo lado agrícola, está chegando ao fim. Para finalizar o convênio, só faltam duas viagens técnicas mas não há mais vagas. Devemos aguardar o ano que vem. Ano novo, novas perspectivas. Em 2006, a equipe TRAF da Ecoparaná, envolveu 135 municípios, capacitou 495 técnicos e 843 agricultores. No evento de Cascavel, estiveram cerca de 500 pessoas de mais de pelo menos 60 municípios paranaenses. Mas veio gente de Pernambuco, o caso de Romana Rodovalho e Andreza Sarafim Silva, enviadas pelo INCRA pernambucano que busca experiências para os mais de 200 assentamentos no Estado além dos palestrantes de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Além dos tópicos que já abordamos, o evento me marcou pelo seu caráter de “mistura” de campos diferentes: agricultura, meio ambiente, turismo, artesanato, ONGs interessantes e conceitos novos, tão novos como Economia Solidária. Já que menciono a Economia Solidária, o Notas do Turismo já convida a quem puder e se interessar a visitar Londrina no final do mês e conferir a II Feira Estadual de Economia Solidária. Haverá palestras e seminários, comercialização de produtos, rodadas de negócios entre empreendedores da economia solidária, trocas solidárias atividades culturais e oficinas. Frei uma nota especial sobre as oficinas.

A Prefeitura de Londrina é quem está por trás do evento. Roberto Gonçalves, da Prefeitura da cidade estava no evento de Cascavel e falou sobre a Economia Solidária para candidatos a fornecedores de produtos do campo em conexão com o turismo. Sob o lema de “Outra Economia acontece” – os eventos que incentivam a Economia Solidária são apoiados pelo, de novo, Ministério do Desenvolvimento Agrário pela Secretaria de Desenvolvimento Agrário, o Ministério do Trabalho e Emprego via Secretaria Nacional de Economia Solidária e, pelo lado cidadão pelo Fórum Brasileiro de Economia Solidária.

Como eu não posso de dar uma opinião pessoal e dicas pessoais aqui vai uma: o Oeste do Paraná está precisando, e com urgência da via de escape chamada Economia Solidária. Alô especial para Foz do Iguaçu que vê o fim da economia do turismo de compras. E como acabo de mencionar Foz do Iguaçu, encontrei 11 pioneiros pelo menos no interesse pela possibilidade “incluir” o TRAF nas possibilidades do município. Destaco o agricultor e participante da Feirinha do produtor na Avenida JK, Joaquim de Jesus, da Chácara da Paz, região do rio Tamanduá, Neldo Bruxuel também da área rural de Foz do Iguaçu e, causou muita alegria ver Mário Carmo Castro da Secretaria de Agricultura de Foz do Iguaçu. Gostei de ver esse link entre agricultura e turismo também em Foz. Foz é uma cidade que mais possibilidades de links possui. E como possui!

Entre as cidades que brilhou de forma muito especial foi Capanema que trouxe para o evento o seu roteiro devidamente formatado. O roteiro chama-se Doce Iguaçu (eles escrevem com dois SSs – o que viola os meus princípios por isso não repito a grafia, mas você pode escrever como quiser). Conhecei alguns dos produtores como o Sr. Alberto Fritzen. O Roteiro Doce Iguaçu tem 14 atrações, a maioria propriedades rurais mas tem também a Casa Familiar Rural - uma entidade que faz um belo trabalho pela “educação da alternância”. Em Misiones na Argentina, a entidade similar, chamada EFA – já desenvolveu uma “Rede de Agroturismo” (www.redagroturefas.com.ar). Vejo uma possibilidade de um entrosamento do roteiro de Capanema com os roteiros de Agroturismo de Misiones via CFR / EFA. Especialmente agora que Argentina e Brasil (em ordem alfabética como manda o Mercosul) trabalham para melhorar o trânsito na fronteira entre as cidades vinculadas de Andresito e Capanema. Parabéns Capanema e todos os que trabalharam pelo roteiro que inclui: Ecoparaná, PNI / Ibama, IAP e Emater Paraná.

A Prefeitura de Cascavel trabalhou muito bem pelo bem estar de todos os participantes que vieram de todo o Paraná. Os ônibus escolares da Prefeitura foram utilizados para levar os participantes a uma visita técnica da Colônia São Francisco mais conhecida como Reassentamento São Francisco. Não é um reassentamento do MST. Este reassentamento foi feito pela COPEL e Governo do Paraná após muita luta dos movimentos CRABI e MAB – este último chamado Movimento dos Atingidos por Barragens. A Barragem em questão é o Salto Caxias e os atngidos sãos os ex-proprietários rurais de comunidades hoje sub-lacustres que pertenciam a municípios paranaenses como Boa Vista da Aparecida e Três Barras do Paraná. Estudantes do curso técnico de turismo com ênfase em guias de turismo de uma escola local (CEP ou CEEP) e acadêmicos do crso de turismo da Unipar também suaram a camisa.

Próximos passos
O diretor da área responsável pelo Turismo da Emater, Ademar Jorge Dressler anunciou que no dia 7 de fevereiro, durante o Show Rural de Cascavel, haverá uma reunião para discutir os rumos do Turismo Rural na Agricultura Familiar. “Logo após a virada do ano vamos começar a convidar diferentes parceiros para voltar a trabalhar o assunto. Não podemos deixar parar por aqui ou perder contato”, disse Dressler.

Mais um anúncio
E ainda na área dos anúncios para o ano que vem, o diretor do Centro de Convenções e Eventos de Cascavel, Irineu Pinheiro, anunciou, em primeira mão, dois eventos paralelos que voltarão a ser realizados na cidade. É a FIBRA – Feira da Indústria Brasileira de Alimentos que acontecerá o Oeste Fest. A data será 8 e 9 de junho de 2007. Aguarde mais!

Nenhum comentário:

Hora Mundial